Janela Literária

Resenhas e novidades sobre o universo dos livros.

Resenha: Terra sem mapa (Ángel Rama)

2019 está sendo um ano de muitas mudanças nos meus hábitos de leitura. Ainda estamos em março e já me aventurei a ler coisas bem diferentes do que eu costumava, como thrillers, não-ficção, e agora algo que quero muito fazer mais: ler autores da América do Sul. Infelizmente o mercado editorial brasileiro ainda é muito preso a publicar apenas best-sellers, em sua maioria norte-americanos e europeus. Mas através do clube Pacote de Textos descobri a Grua, uma editora comprometida em publicar obras diferenciadas, sendo o que eles chamam de uma ponte entre a tradição e o novo. Recebi do clube a obra Terra Sem Mapa, do autor Ángel Rama, e vim dividir a minha opinião com vocês por aqui.

livro terra sem mapa angel rama janela literaria

SINOPSE: Esta edição de Terra sem Mapa é a primeira tradução brasileira de sua obra ficcional. Neste livro de 1959, em que reconta as histórias de sua mãe, quando menina, um tecido vai se formando com os entrelaces de outras histórias, de outras meninas, na mesma Galícia do início do século. Fio a fio, vislumbra-se a estampa, ainda que não se entenda bem o mecanismo do tear. Sua leitura é um caminho para a delicadeza. Na profícua produção do autor, Terra sem Mapa tem um lugar especial. Aquele um que não se sabe bem onde fica, entre a memória e a invenção, entre o sentimento e a razão. Sem mapa, mesmo. Prêmio Ramón Del Valle-Inclán, pelo Centro Galego de Buenos Aires, em 1959, e Prêmio Vieira de Plata em 1970.


Os contos escritos pelo autor nessa obra se entrelaçam, apesar de ao mesmo tempo serem independentes. Os mesmos personagens aparecem em várias das histórias, sendo todos moradores de uma pequena cidade em algum lugar da Galícia, região da Espanha. Uma cidade que, como diz o autor, não poderia ser nem encontrada no mapa. Sua inspiração para as histórias se baseia naquelas contadas pela sua mãe, que nasceu na região e posteriormente migrou para Montevidéu. Na maior parte delas nos deparamos com uma encantadora família composta por uma mãe viúva e muitas filhas. 
O livro retrata de forma muito vívida o cotidiano da região, composto pelo trabalho doméstico, a religião e as relações sociais. Me encantei pela habilidade de descrição do autor, que foi capaz de me fazer visualizar cada cena e relembrar muitas outras histórias que ouvi de meus pais e avós. Ele constrói diversos símbolos dessa vida cotidiana, como quando no conto "Os grãos", relaciona o debulhar de vagens com a reza do rosário, descrevendo o movimento das mãos. Ele também fala muito sobre a infância - sobre os choros reflexivos e angústias que podemos sentir nessa fase em que nem mesmo entendemos ainda a complexidade do mundo - e o olhar que temos sobre a vida adulta.

resenha terra sem mapa janela literaria
Para deixá-los ainda mais curiosos a respeito desta dobra do autor uruguaio, separei alguns trechos que foram marcantes para mim:

"Acontece que, apesar de sua recobrada alegria, algo inexplicável caiu até o fundo de sua alma para ficar ali, adormecido, mais vivente. Apenas um talvez que ela não se atreve a formular. Temor de que, talvez, algum dia a chuva não pare; de que, talvez, o mundo se acabe." 
A chuva (p. 42)

"Para Lina, nem muda o mundo, nem muda a cara de sua mãe; por mais que retroceda no tempo, encontra sempre idêntica imagem." 
O riso (p. 98)

"Ser pobre é não ter. Tão ardentemente queria ter, que agora sobre todas as coisas que vê põe seu nome e o possessivo: 'os pintinhos são meus, e a galinha baratá é minha; o bezerrinho é meu, os dois carvalhos são meus, o burro do José também é meu.' Em sua enumeração, chega a esgotar o mundo conhecido e fica perplexa, esforçando-se para descobrir mais tesouros de sua exclusiva propriedade" Nós somos pobres (p. 132)

Só de escrever esses trechos já fiquei com saudade do livro. 

resenha terra sem mapa janela literaria

É uma obra leve e carregada de muita beleza e sentimento. Ultimamente esse tem sido o tipo de leitura que mais me encanta e distrai, então foi maravilhoso. A edição da Grua está perfeita, com folhas amareladas na medida certa e boas margens. Todo esse conjunto me fez dar 5 estrelas ao livro.
Recomendo muito o autor, que carrega também uma interessante história e carreira na área da crítica literária.  Terra sem mapa é com certeza um livro singular, suave e gostoso de ler.

ISBN: 978-85-61578-01-5
Editora: Grua 
Nota: ⭐⭐⭐⭐⭐

19 Comentários

  1. O livro parece maravilhoso, eu amei a sinopse, ja quero ler

    Meu blog: https://intercachos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. adorei conhecer esse livro, gosto mt de contos e nunca tinha ouvido falar nele

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. eu nunca li esse livro, mas gostei da sua resenha, achei muito legal a sua resenha

    ResponderExcluir
  4. Adorei a dica, é um tipo de livro que me atrai... vou comprar para ler com certeza...

    ResponderExcluir
  5. Com certeza quero ler, conhecer esta história.amei a resenha 💕

    ResponderExcluir
  6. Ainda não tinha ouvido falar desse autor, mas pela sua resenha parece ser um ótimo livro.

    Beijinhos,
    Aline Magalhães
    Alineland

    ResponderExcluir
  7. Que capa mais linda, parece ser mesmo uma leitura envolvida em sentimentos e bem gostosa de se fazer!

    ResponderExcluir
  8. Já gostei da capa. Realmente, temos que valorizar outros autores, que fujam do senso comum e dos mais vendidos.

    ResponderExcluir
  9. Oi, xará!
    É a primeira vez que ouço falar dessa editora e desse livro/autor. Gosto de livros que reúnem contos, e quando estes trazem histórias ao mesmo tempo reflexivas r cheias de sensibilidade é realmente impossível a gente não se apaixonar.
    Amei o post!

    ResponderExcluir
  10. Não sou muito fã de livros assim mas este me chamou atenção. Sus sinopse foi top. Parabéns. Anotado na minha lista pois deu curiosidade.

    ResponderExcluir
  11. Nâo curto muito livros com esse tema, mas valeu pela dica ^-^

    ResponderExcluir
  12. Maravilhosa sua resenha e gostei muito da escrita, que parece ser leve e sensível.
    A figura da capa tem uma meiguice que lembra coisas do passado, o que combina muito com o titulo.
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
  13. Leio bastante mas mais de autores norte-americanos e europeus, que acaba tendo mais destaque querendo ou não mas atualmente estou lendo o livro de uma brasileira! Achei bem interessante o tema do livro.

    ResponderExcluir
  14. Nunca tinha lido sobre o autor e nunca ouvi falar no livro. Achei muito interessante, principalmente por se tratar de um livro com tanta história e sentimento envolvido. Tenho vários livros que me dão essa saudade que você comentou, rs.

    ResponderExcluir
  15. Gostei de conhecer esse livro, é uma história cheia de sentimentos

    ResponderExcluir
  16. Eu tenho uma dificuldade enorme para ler obras nacionais exatamente por achar o mercado bem engessado. Ainda não tinha pensado em me aventurar nos autores da america do sul mas foi uma boa ideia e posso começar por esse livro de contos que gostei bastante da indicação

    ResponderExcluir
  17. Se tem uma coisa que AMO são histórias independentes que vão se entrelaçando assim em livros e séries (tem uma da Netflix, Easy, que é nesse estilo e é maravilhosa). Parece ser um livro muito gosto de ler e é muito bacana que você esteja empenhada em conhecer mais autores latinos... A gente tem que valorizar o "lado de cá" também.

    ResponderExcluir
  18. Esse livro não tinha visto el lugar algum e parece ser muito interessante
    Fica ai uma dica de leituras para as amantes
    bjs

    ResponderExcluir
  19. Não conhecia livro, mais ele parece ser bem interessante.
    Amei a resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário