Janela Literária

Resenhas e novidades sobre o universo dos livros.

Na hora da virada (Angie Thomas)

Quem me segue lá no Instagram já está sabendo dessa novidade, mas só hoje pude vir aqui contar pra vocês: estou trabalhando! Finalmente consegui ter a minha carteira assinada, o que significa que a minha rotina está mudando muito. Por conta disso cá estou eu no meu dia de folga, na véspera de Natal, escrevendo a resenha de Na hora da virada. Tenho que aproveitar esse tempo livre pra falar desse livro incrível por aqui!
Concluí essa leitura já há algumas semanas, mas continuo pensando na história. Foi o meu segundo livro da autora e ela conseguiu me surpreender mais uma vez com um enredo super envolvente e cativante, que me fez refletir muito sobre os temas abordados.

na hora da virada

SINOPSE

Bri é uma jovem de dezesseis anos que sonha se tornar uma das maiores rappers de todos os tempos. Ou, pelo menos, ganhar sua primeira batalha. Filha de uma lenda do hip-hop underground que teve o sucesso interrompido pela morte prematura, Bri carrega o peso dessa herança. Mas é difícil ter a segurança de estrear quando se é hostilizada na escola e, desde que sua mãe perdeu o emprego, os armários e a geladeira estão vazios. Então, Bri transforma toda sua ira em uma primeira canção que viraliza... pelos piores motivos! No centro de uma controvérsia, a menina é reportada pela mídia como uma grande ameaça à sociedade. Mas com uma ordem de despejo ameaçando sua família, ela não tem outra escolha a não ser assumir os rótulos que a opinião pública lhe impôs. 


na hora da virada livro

No livro acompanhamos a história da Bri, uma estudante do ensino médio apaixonada por rap e disposta a se dedicar completamente à carreira musical. Entretanto há diversos empecilhos nessa sua jornada: as condições econômicas de sua família, o passado de seu falecido pai e o legado que ela carrega por ele também ter sido rapper e diversos outros conflitos internos que passam pela cabeça da garota. Entre batalhas de rap e gravações de single, a Bri vai tentando conquistar o reconhecimento que almeja, mesmo quando precisa lidar com outras prioridades.
Além de sua mãe e irmão, que vivem com ela e são responsáveis pelas contas da casa, Bri também tem em sua rede de apoio a sua tia Pooh, grande incentivadora de sua carreira na música. Entretanto Pooh também tem outras demandas: ela faz parte de uma gangue e sobrevive através do tráfico de drogas. Esse é um assunto recorrente na história, que tratou de maneira brilhante a problemática das gangues e do tráfico nos EUA. 
É meio injusto. Aqui está meu irmão, fazendo tudo certo e não dá em nada. Enquanto isso, tia Pooh está fazendo tudo o que nos disseram para não fazer, mas é ela quem nos alimenta quando precisamos." p. 185

LEIA TAMBÉM: O ódio que você semeia (Angie Thomas)


partes na hora da virada

Dividido em três partes, o livro mostra o amadurecimento de Bri em meio a tantos dilemas e momentos difíceis. Senti tudo junto com ela e admito que em alguns momentos eu queria estar lá para lhe dar alguns conselhos, pois nem sempre ela toma as melhores decisões, hehe. Mas como uma jovem negra me identifiquei com diversos questionamentos apontados pela personagem. 
Um homem no estacionamento filma a fila com uma câmera de televisão. Acho que alguém em algum lugar ama ver os pobres do gueto implorando por comida." p. 137
Além de seus familiares, Bri conta também com Sonny e Malik, amigos que estudam com ela e a conhecem muito bem. Dentro desse núcleo o enredo traz também discussões sobre amizade que foram para mim muito interessantes.
Apesar de ser um livro voltado para o público mais jovem, o livro aborda questões extremamente importantes que tornam a narrativa muito forte e intrigante. As emoções foram muitas e era difícil deixar o livro de lado.

autora na hora da virada

A Angie Thomas continua arrasando na escrita, e o fato de ela ter experienciado muito do que aparece no livro de perto torna a leitura bem mais pessoal e enriquecedora. Mais uma vez conclui a sua obra sentindo gostinho de quero mais, então não vejo a hora de conhecer o seu próximo lançamento. 
Embarquei tão profundamente nesse universo do rap e hip hop que comecei a pesquisar sobre o cenário aqui no Brasil, e foi assim que descobri a Batalha da Aldeia. Desde então eu não consigo parar de ver os vídeos, e tenho acompanhado as batalhas semanalmente. Sente só o gostinho:


livro na hora da virada

Recomendo demais essa leitura, assim como a de O ódio que você semeia! Não deixem de conferir o trabalho incrível da Angie Thomas. Agradeço imensamente ao Grupo Editorial Record por ter me enviado essa obra!💗

ISBN: 978-85-01-11704-5
Editora: Galera Record
Nota: 5/5 ⭐

9 Comentários

  1. Que incrível essa história, gosto muito de mídias que revelam as problemáticas da sociedade, principalmente do Guetto americano, inclusive recomendo aqui 8-Mile, filme que deu a Eminem um Oscar. :)

    ResponderExcluir
  2. Antes de mais nada, parabéns pelo job. Que bom entrar o ano com um emprego, não é? :)
    Quanto ao livro, vou procurar! Gosto desses livros voltados para o publico juvenil quando não quero ler algo muito sério ou não estou a fim de pensar muito.

    ResponderExcluir
  3. parabens pela carteira assinada, eu tbm consegui um trabalho bem agora no finalzinho do ano, presente de Natal pra gente né. legal conhecer esse livro e ainda saber que trata de assuntos importantes

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo trabalho! Quanto a obra, não conhecia mas gostei da sinopse. Sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Você também fechou bem a virada e virou o jogo conseguindo o emprego! Arrasou tanto quanto escrevendo a resenha, pontuando uma crítica social incrível!

    ResponderExcluir
  6. Que interessante esse livro, despertou minha vontade de ler mais hahaha

    ResponderExcluir
  7. Parece ser um livro muito bom mesmo, ainda não havia lido resenhas dele.
    Já li O ódio que você semeia e simplesmente amei.

    ResponderExcluir
  8. Suas fotos e o seu design de postagem é tão lindo! Parabéns!
    Parece ser um livro ótimo, gostei de saber mais <3

    ResponderExcluir
  9. Deve ser por isso que o livro saiu tão bom, o fato da autora já ter uma ligação com o rap. Se tivesse sido apenas pesquisas e imaginação não seria a mesma coisa. Parece ser bom o livro, amei a resenha.
    https://ministeriopregadoresdoaltar.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário