Janela Literária

Resenhas e novidades sobre o universo dos livros.

Consciência negra através dos livros

Pensei muito em como começar este post. Como mulher negra, sinto que talvez eu deveria ser capaz de achar palavras mais facilmente para tratar sobre a data de hoje, 20 de novembro, dia da consciência negra. Mas a verdade é que não é mais fácil para mim, como negra, falar sobre negritude e literatura.
Por muito tempo o colorismo me afetou. Eu era "morena", uma "negra mais clarinha". Me questionava sobre isso, mas não lia sobre o assunto. Foi através da leitura, já na transição da adolescência para a vida adulta, que me identifiquei como preta. Ainda ouço as pessoas dizerem que não sou preta quando me declaro assim, como se fosse mais confortável "amenizar" a minha negritude. Mas hoje é assim que eu me vejo, e com muito mais orgulho que anos atrás.

literatura negra

Falando sobre os livros, resolvi indicar algumas leituras que fiz neste ano e que me ensinaram muito sobre negritude. São todos escritos por mulheres negras, o que me agrada muito e ao mesmo tempo me faz questionar: onde estão os autores homens negros? Acho que além do Machado de Assis, não consigo me lembrar de nenhum outro autor negro que eu tenha lido (e na época que li o Machado ele nem era "oficialmente negro", o que é horrível. Recomendo a leitura deste artigo da revista Quatro Cinco Um sobre a questão). Aproveito então e peço que, caso conheçam, me recomendem autores negros nos comentários (tanto homens quanto mulheres também). 

the hate u give

1. O ódio que você semeia (The Hate U Give), da Angie Thomas 

Este livro, que ficou bem famoso por ter sido adaptado para o cinema (ainda preciso ver o filme!), é uma ótima forma de introduzir a temática de raça para a juventude. A protagonista é a Starr, uma garota que se divide entre duas realidades: a de sua família e o bairro onde vive, que é predominantemente negro, e a escola em que estuda no subúrbio, onde a maioria é branca. O livro trata de violência policial, com a Starr sendo testemunha do assassinato de seu amigo Khalil. É um livro poderoso, que nos faz reconhecer o quanto não podemos jamais calar a nossa voz. Já tem resenha dele aqui no blog.

na hora da virada

2. Na hora da virada (On the come up), da Angie Thomas

Sim, eu vou indicar dois livros da Angie por quê ela é MARAVILHOSA. Acabei de concluir o seu segundo livro e estou ainda mais encantada com o trabalho dessa mulher. Dessa vez temos como protagonista a jovem rapper Bri, que está tentando começar a sua carreira no campo da música mas enfrenta muitas barreiras e preconceitos. Assim como o seu livro anterior, a autora trata nesta obra de temas como educação, família e drogas, mas num contexto diferente e marcado pelo mercado da música. Eu amei demais essa história e irei resenhá-la em breve por aqui.

LEIA TAMBÉM: Cartas a povos distantes (Fábio Monteiro)

guerra as drogas

3. Guerra às drogas e a manutenção da hierarquia racial, da Daniela Ferrugem

Numa narrativa não ficcional, a autora Daniela Ferrugem aborda neste livro a questão das drogas no Brasil, num debate sobre política, ações proibicionistas e manutenção da hierarquia racial. O livro é resultado de sua dissertação de mestrado e já foi resenhado aqui no blog. A Daniela é assistente social e pesquisadora, e faz em sua obra um apanhado histórico da presença das drogas no país, inserindo um debate extremamente pertinente a respeito de como a sociedade enxerga os usuários e dos estigmas que eles carregam, tendo muitas vezes sua subjetividade negada.

kindred

4. Kindred: Laços de Sangue, da Octavia E. Butler

A Octavia demorou a ser publicada aqui no Brasil, mas desde então tem aparecido na lista de mais vendidos com as suas obras de ficção científica. Nesta obra, ela mistura viagens no tempo, escravidão, preconceito e violência, numa trama de tirar o fôlego. Fiquei muitas vezes aflita ao ler tudo pelo que a protagonista Dana passou, após ser enviada várias vezes ao passado como uma escrava e não ser capaz de entender ou controlar esse fenômeno. Veja mais detalhes na resenha completa que publiquei aqui no blog. 

talvez precisemos de um nome para isso

5. Talvez precisemos de um nome para isso, da Stephanie Borges

Este livro é na verdade a minha leitura atual, e é também o livro do mês do CALMA - Clube Ativista Literário Para Mulheres Ansiosas. Na obra a autora carioca reúne poemas que traduzem experiências vividas por ela, passando pelos contextos da estética, da opressão, beleza e identidade. Pretendo resenhar o livro assim que concluir, e recomendo muito a compra do e-book, que está com um precinho ótimo na Amazon.

Espero que este post tenha te inspirado a ler mais literatura negra, e que este dia sirva para você refletir sobre o assunto. Se quiserem mais dicas de leitura, preparei uma lista com mais obras lá na Amazon que vocês podem conferir clicando aqui.

25 Comentários

  1. super boas indicações, no começo do ano li um da angela davis que me abriu mais os olhos pra essa temática tão importante

    ResponderExcluir
  2. O ódio que você semeia é um livro necessário, depois que terminei sua leitura eu repensei várias assuntos e comecei a pensar em outros. Ainda não li A hora da virada nem Kindred, mas estão na minha lista de desejados. Os outros dois livros citados eu ainda não conhecia, mas esse de poemas deve ser uma leitura bem impactante.
    Valeu pelas dicas e pela reflexão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que gostou das dicas! O ódio que você semeia também me fez refletir sobre muita coisa. Tenho me interessado mais pelo assunto (violência policial) desde então!

      Excluir
  3. Tenho muita vontade de ler O ódio que você semeia por conta da adaptação, que ainda não vi por não ter lido o livro. Outro que quero ler e Londres que me chamou a atenção a alguns dia.
    Obrigado pela dica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo já tendo lido o livro ainda não tive a chance de ver a adaptação! Quero muito assistir <3

      Excluir
  4. Todas as indicações parecem ótimas, o Kindred e os dois da Angie foram os que mais me chamaram a atenção, e fiquei com muita vontade de ver a adaptação de O Ódio que você semeia, vi que o Anthony Mackie ta no filme, gosto da atuação dele.
    Acho que uma adaptação de Na Hora da Virada seria algo bem legal, fiquei imaginando algo meio 8 Mile, hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca cheguei a assistir 8 mile, mas concordo que uma adaptação de Na hora da virada seria incrível! Tô torcendo pra isso <3

      Excluir
  5. Essas indicações sao otimas e que todos deveriam ler.

    ResponderExcluir
  6. Esse seu texto me fez pensar, tirando Machado de Assis não me lembro de ter lido alguma outra obra de um escritor negro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois do post, só lembrei do Lima Barreto, que li na época da escola. Preciso buscar ler mais autores negros!

      Excluir
  7. Quanto livro incrível! Kindred é um dos meus livros favoritos da vida e tenho muita vontade de ler O ódio que você semeia.
    Não conhecia Guerra às drogas e a manutenção da hierarquia racial e Talvez precisemos de um nome para isso, mas já fiquei com vontade de ler o segundo.
    Parabéns pelo post, ficou ótimo e as fotos ficaram lindas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rubyane! Kindred é mesmo muito bom <3

      Excluir
  8. Como sempre suas indicações são maravilhosas adorei

    ResponderExcluir
  9. Ai, que indicações incríveis! Eu gosto muito de ler sobre experiências que não sou capaz de entender com minha própria vivência, e feminismo negro é talvez o tema que mais busco. Acho importante entender que é diferente da minha experiência como feminista, né? Minha autora favorita é a Chimamanda Ngozi Adichie, que é negra além de maravilhosa. Não sei se você já leu, mas fica aqui a recomendação.
    Fiquei querendo ler todos as suas indicações, mas Guerra Às Drogas foi a que mais despertou a curiosidade. Acho que é isso de tentar ver a vivência do outro, né? Importante demais entender como isso funciona estruturalmente pra não reproduzir discursos preconceituosos nesse aspecto - e em TODOS OS OUTROS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, concordo super com o seu comentário! Da Chimamanda eu só li "Sejamos todos feministas", que gostei bastante. Quero muito ler outros livros dela!

      Excluir
  10. Suas recomendações são ótimas e é claro que esse tema não podia passar sem ser abordado né?? Excelente trabalho o seu..

    ResponderExcluir
  11. Adoro suas indicações, pois amei todas as vezes que li um livro indicado por você... Com certeza vou escolher um destes para a minha próxima leitura! bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viviane, seu comentário aqueceu meu coração <3 Muito obrigada mesmo!

      Excluir
  12. incentivar a leitura ainda mais mostrando e rompendo as barreiras do preconceito né! já quero ler esses livros

    ResponderExcluir
  13. Por isso amo a litetatura, mas que um simples entretenimento, ela possibilita grandiosas transformações dentro de nós ao nos ajudar no inadiável processo do autoconhecimento.
    Olha, infelizmente nesse primeiro momento eu tambem só recordo do Machado de Assis... O que é uma pena! Vou pesquisar mais..
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A literatura é uma das mais lindas criações da humanidade <3

      Excluir

Postar um comentário